quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

NOVO DEIT LIBRAS 2ª EDIÇÃO REVISADA E EXPANDIDA






"Amigos queridos: 
Descrever essa obra arrepia a alma. É um misto de calor que vem de dentro com um refrigério de alma e espírito no entorno... É tanto arrepio na hora de descrever essa obra que parece até frio. Deve ser por causa da ventania das asas de todos esses anjinhos que estão sobrevoando este lugar e sorrindo e sorrindo extasiados... Ou são anjinhos, ou vagalumes, ou meus pobres olhos precisam de algum descanso... Seja como for, não importa. Importa a felicidade que transborda, como antevisão de todo o bem que virá disso tudo. À criança, a quem pertence o céu, nosso abraço amoroso, paternal, cheio de esperança e fé e gratidão. A todos os amigos, nosso abraço fraterno e forte. Damos graças a Deus por tudo de bom que os professores dedicados farão com a ajuda destes dois servos aqui.
 
Um capítulo que ensina a ler e escrever a articulação da fala por meio do sistema SpeechWriting, que adaptamos para o Português falado. Permite tornar visíveis os sons da fala (concilia num só iconema informações fanerolaliêmicas e esteselaliêmicas - estas permitindo distinção entre consoantes surdas e sonoras do Português, para reduzir paragrafias envolvendo trocas surdo-sonoras como chato-jato, foz-voz, coma-goma,...)
Novo capítulo que adapta o sistema SpeechWriting para ler e escrever o Português falado, permitindo à criança representar informações fanerolaliêmicas e esteselaliêmicas de modo a compreender as relações entre a escrita alfabética e a articulação visível e-ou tateável da fala. Importante recurso para alfabetização de surdos videntes e de surdocegos, de deficientes auditivos com ou sem implante. Para surdos sinalizadores fazemos o desenvolvimento das 2 rotas: a semântica via análise da estrutura morfêmica do Port ancorada na estrutura morfêmica de Libras; a transparente via ancoragem na fala via SpeechWriting e nossos sistemas de legibilidade orofacial do Port e de regularidade fanerolaliema-grafema.no

Valerie Sutton e Stefan Wöhrmann são nossos coautores deste capítulo que junta SignWriting a serviço de Libras e SpeechWriting a serviço do Português. A comunidade surda brasileira merecendo cada vez mais respeito e atenção internacionais, sempre e em todas as esferas, inclusive nesta aqui.
O Novo Deit Libras 2ª edição revisada e expandida. (Volume 1: ISBN: 978-85-314-1330-8. Volume 2: ISBN: 978-85-314-1331-5) com 2.760 páginas estará disponível apenas a partir de final de fevereiro. de 2012. Poderá ser encontrado em todas as lojas da Editora da USP (Edusp) e nas lojas virtuais por meio da Internet. Você poderá encomendá-los na sua livraria local. Sugiro escreverem ao MEC solicitando a distribuição gratuita via Programa Nacional do Livro com recursos do FNDE, bem como à Secretaria Estadual de Educação de seu estado, e à Secretaria Municipal de Educação de sua cidade. Por isso acrescentei aqui informações sobre o ISBN de cada um dos dois volumes". 

Fernando Capovilla


O PERFIL DO SURDOCEGO

video




"Para quem não conhece: senhora surdocega desde os 6 anos de idade casada com surdocego (ele com síndrome de Usher) ilustra brevemente recepção tátil de fala (leitura orofacial tátil via Tadoma da fala de seus interlocutores) e recepção tátil da sinalização do esposo (que ela traduz em Português falado para a audiência). Interessante depoimento sobre a importância da força de vontade para superar preconceitos e vencer barreiras de comunicação. (...) Ele é surdo congênito e perdeu a visão aos 9-10 anos de idade. É sinalizador nativo, sua língua materna é Libras, e usa sinalziação tátil. Ela é surdocega oralizada bilíngue, sua língua materna é o Português, mas domina Libras e se comunica... com o esposo e com outros surdocegos sinalizadores por meio de língua de sinais tátil e com ouvintes por meio da fala e com falantes por meio da leitura orofacial tátil. Casal bonito e extraordinário, que ilustra a importância de unir mundos usando todos os recursos de que somos dotados. Não há qualquer lugar para preconceito frívolo. Sinalismo e Oralismo sinérgicos, mutuamente includentes e inclusivos. Gente como a gente que luta para se superar e acaba nos fazendo a todos melhores à medida que aprendemos com eles".

Fernando Capovilla

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

COMPREENDENDO O SEU BEBÊ DEFICIENTE VISUAL




Atenção, cuidados e amor são absolutamente essenciais para um desenvolvimento saudável do ser humano. O primeiro ano de vida é um ano crucial, nunca nos desenvolvemos tão rapidamente quanto no nosso primeiro ano de vida. Gradativamente começamos a compreender que nossos bebês precisam muito mais do que os cuidados essenciais. Da mesma forma que os bebês não podem crescer fisicamente sem alimentação, calor e higiene decentes, também não podem crescer mentalmente – desenvolver seus sentimentos, intelecto, estrutura mental e emocional – sem que a eles se dediquem atenção e afeição suficientes.

O psicanalista Donald Winnicott disse uma vez que não há tal coisa como um bebê somente a unidade que se estabelece na relação entre uma mãe e um bebê. Sem alguém que lhe desse cuidados primários, um bebê não seria capaz de sobreviver. Se um bebê tem uma deficiência, isto é ainda mais verdadeiro. Saiba que os bebês não são tolos. Deficientes ou não eles começam a dar sua contribuição desde os primórdios da vida. São criaturas altamente inteligentes e perseverantes, mas não estão ainda informados. Enquanto percorrem a longa distância entre o nascimento e um ano de idade, eles têm muitíssimo a aprender. Nada sabem sobre o mundo ou sobre si mesmos. Enquanto você se esforça para tentar entendê-lo, ele ou ela também está se esforçando para entender você. Agora, com o bebê deficiente visual é primordial que, gradativamente e com criatividade, levemos o mundo até ele. Lembre-se que os outros sentidos não dão conta da estimulação essencial que chega automaticamente e continuamente através da visão. Obviamente aqui estou falando dos primórdios da vida psíquica, pois os bebês são criaturas fascinantes que nos despertam o pensar, quando não também ansiedade. Mas não somente nós, pais, familiares e profissionais, temos necessidade de entendê-los: os bebês têm, por seu lado, uma necessidade imperiosa de ser entendidos. Eles precisam que captemos suas comunicações e reflitamos, tentando dar sentido ao que acontece: é recíproco o provocar emoções e respostas de ambas partes. Assim, algumas vezes precisamos avaliar a nós mesmos, nossas próprias excentricidades, qualidades e fraquezas, como pais, familiares ou profissionais, principalmente, diante de nossa própria cegueira em ter sob nossos cuidados um bebê deficiente visual. Acredito que algumas pessoas com deficiências têm a habilidade e o apoio necessários para realizarem seus objetivos desde bebês, quer tenham nascidos deficientes ou tenham adquirido a deficiência em algum momento da vida. Outros não. Algumas crianças com deficiência trarão prazer e inspiração aos pais, familiares e profissionais. Outras trarão fardos. A maioria, como todas crianças, trará uma mistura de cada. A maioria dos pais consegue enfrentar as intempéries de se criar um ser humano sem necessariamente naufragar. Quando a bússola não está clara ou o mau tempo insiste demais, os pais deveriam reconhecer que a ajuda é necessária. A ajuda pode não prover terra seca, mas proverá apoio para a jornada. Nem tudo pode correr bem o tempo todo com todas famílias.

Entretanto, a chave para o caminho certo é muito simples. Diante de um bebê deficiente, ainda mais que os outros pais, familiares e profissionais, você tem que descobrir quem é o seu bebê e o que ele necessita. E lembre-se sempre: 1) A deficiência não causa santidade, embora admiremos aqueles indivíduos raros que se erguem acima da adversidade. 2) A deficiência não causa mau comportamento, embora possa esgotar os recursos emocionais da criança (e da família), fazendo com todos fiquem mais vulneráveis. 3) A deficiência necessita de atenção apropriada, reconhecimento e explicação. 4) Toda criança, qualquer que seja seu nível de deficiência, sabe que ele ou ela é deficiente e tem sentimentos e fantasias a respeito disto. 5) Não “deficientize” você mesmo sua família por fracassar em buscar apoio quando você necessita disso. 6) Quando uma criança não é capaz de desenvolver-se sem a intervenção de vários adultos, os pais herdam “uma família” extensiva de profissionais. É importante que a equipe – inclusive os pais e a criança ou adulto – trate um ao outro com cortesia. Pode haver rivalidade sobre de quem é aquela criança ou cliente, porém é a união amorosa de todos que fará a diferença. Concluindo, nunca percam de vista que todos são importantes ao permitir que o maior potencial possível de cada ser humano ganhe expressão e que socialmente somos todos responsáveis para que cada indivíduo conquiste o direito de vida plena. 



Eliane Pereira Lima - Especialista em Psicologia Clínica, Organizacional e do Trabalho





Bibliografia:
AMIRALIAN, M.L.T.M., Compreendendo o Cego – uma visão psicanalítica da cegueira por meio de desenhos-estórias, São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.
A Cegueira Congênita e o Desenvolvimento Infantil, Revista Benjamin Constant, nº 4, Set/1996. A construção do cérebro, Revista Veja, Editora Abril, Edição 1436, ano 29, nº 12, 1996.
CARROL, T.J., Cegueira: o que ela é, o que ela faz e como viver com ela, São Paulo, 1968.
BRUN, D., A criança dada por morta: riscos psíquicos da cura, São Paulo: Casa do Psicólogo, 1996.
ELIACHEFF, Caroline, Corpos que gritam: a psicanálise com bebês, São Paulo: Ed. Ática, 1995.
MILLER, L., Compreendendo seu bebê, Riode Janeiro: Imago Ed., 1992.
SINASON, V., Compreendendo filho deficiente, Rio de Janeiro: Imago Ed., 1993.
WINNICOTT, D.W., A Família e o desenvolvimento individual, São Paulo: Martins Fontes, 1997.
WINNICOTT, D.W., Da pediatria à Psicanálise: obras escolhidas, Rio de Janeiro: Imago Ed., 2000.
WINNICOTT, D.W., Os bebês e suas mães, São Paulo: Martins Fontes, 1999.


Fonte: CPC- Centro de Prevenção à Cegueira de Americana



* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

III CONGRESSO NACIONAL DE PESQUISAS EM TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE LIBRAS E LÍNGUA PORTUGUESA


O III Congresso Nacional de Pesquisas em Tradução e Interpretação de Libras e Língua Portuguesa estará reunindo pesquisadores convidados de outros países e pesquisadores brasileiros para discutir sobre as pesquisas que envolvem a tradução e interpretação de língua de sinais de e para língua portuguesa. 

O tema central deste Congresso foca nas questões relativas à ética. A ética perpassa as atividades de tradução e interpretação, pois o texto que resulta destas práticas pode ter desdobramentos de ordem científica, política e social. As questões relativas às normas Surdas de tradução que estão ou não presentes nos textos traduzidos refletem aspectos éticos da relação com os envolvidos nas atividades de tradução de e para a língua de sinais. As relações entre os tradutores e intérpretes com os envolvidos no ato comunicativo nas língua de sinais e português são determinadas por questões éticas. Assim, este evento dedicar-se-á a discutir aspectos éticos mais amplos e mais específicos da tradução e interpretação de e para Libras e o português. 

O congresso também objetiva afirmar as pesquisas em tradução e interpretação da Libras no campo dos Estudos de Tradução e Interpretação.

Este congresso tem como público alvo intérpretes e tradutores de língua de sinais, surdos e demais profissionais interessados no tema. 

Local do evento:
Hotel Maria do Mar - Rodovia João Paulo, 2285, Bairro João Paulo - Florianópolis/SC



Período
13 e 14 de agosto de 2012 – Mini-cursos - serão ministrados na Universidade Federal de Santa Catarina
15 a 17 de agosto de 2012 – III Congresso Nacional de Tradução e Interpretação de Libras e Língua Portuguesa

Objetivos

- Difundir as investigações realizadas pelos pesquisadores da área de interpretação/tradução de língua de sinais, proporcionando um espaço amplo de discussões a respeito do tema e seu intercâmbio com diferentes campos de conhecimento (linguística, literatura, tradução e educação).

- Reunir intérpretes e tradutores de língua de sinais do Brasil, bem como, envolver acadêmicos da graduação interessados em consolidar um espaço fértil que possibilite a reflexão sobre a presença deste profissional no meio acadêmico na Universidade Federal de Santa Catarina e em outras universidades interessadas.

- Afirmar as pesquisas em tradução e interpretação da Libras/Português no campo dos Estudos de Tradução e Interpretação.

- Abordar as pesquisas que abordam a questão ética nas atividades de tradução e interpretação de e para a língua de sinais.


video


FONTE: http://www.congressotils.cce.ufsc.br



* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.




sábado, 10 de dezembro de 2011

CÂMARA APROVA APOSENTADORIA ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Prazo de contribuição e idade para aposentadoria serão menores.
Proposta segue para análise do Senado Federal.

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (14) um projeto que cria uma aposentadoria especial para pessoas com deficiência. A proposta reduz o prazo de contribuição e a idade mínima para que essas pessoas possam se aposentar. O projeto segue para análise do Senado Federal.

Atualmente, todos os homens precisam contribuir à Previdência por 35 anos e as mulheres por 30 anos. O projeto reduz em até dez anos o prazo de contribuição de acordo com o grau de deficiência. Quem tem deficiência considerada leve terá uma redução de cinco anos neste prazo, quem apresenta deficiência moderada contribuirá oito anos a menos que o cidadão comum e quem tem deficiência grave terá prazo dez anos menor para a aposentadoria com base no tempo de contribuição.

No caso da aposentadoria por idade, cai de 65 para 60 entre os homens e de 60 para 55 entre as mulheres a idade para a aposentadoria desde que seja cumprido um tempo mínimo de 15 anos de contribuição. Será necessário também comprovar que a deficiência existe há 15 anos para se conseguir a aposentadoria especial por idade.

São beneficiadas pelo texto pessoas que tenham deficiência que apresente restrição física, mental, auditiva, intelectual, sensorial, visual ou múltipla e que restrinja a capacidade funcional. Um regulamento seria feito posteriormente pelo Executivo para definir qual grau de limitação levará à qualificação da deficiência como leve, moderada ou grave.

De acordo com o texto, o grau de deficiência será atestado por perícia do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), que deverá ser refeita a cada 15 anos. A pessoa com deficiência tem o direito ainda de pedir uma perícia em prazo inferior no caso do agravamento da deficiência.

O projeto estabelece ainda que no caso de o segurado da Previdência adquirir a deficiência após já estar contribuindo, o benefício de redução de prazo será proporcional aos anos trabalhos com e sem a deficiência.



FONTE: G1


* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

DEMOCRACIA, ESCOLAS BILÍNGUES E DIREITOS DOS SURDOS



 "As pessoas com deficiência continuaram consideradas juridicamente incapazes"


A Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência (CDPD) culminou política e juridicamente um processo de luta pela igualdade jurídica desse seguimento da população mundial. Desde o final do século XVIII, com a revolução burguesa na França, se estabeleceu o princípio da igualdade e da liberdade na forma da Lei para todos os homens, princípio este que pouco a pouco se impôs em todas as Constituições nacionais. Contudo, as pessoas com deficiência continuaram (PcD) consideradas juridicamente incapazes, objetos de tutela da família, das instituições, da medicina.

Como protagonistas de um movimento social internacional, as PcD se impuseram como sujeitos políticos; a consequência de sua luta foi a conquista do seu lugar de sujeito de direito. Com base na Convenção, não é mais legítimo ignorar sua participação na vida nacional e sua aquiescência na definição de políticas públicas que lhes dizem respeito. 

Sobre isto, a CDPD é inequívoca: “Na elaboração e implementação de legislação e políticas para executar a presente Convenção e em outros processos de tomada de decisão relativos às pessoas com deficiência, os Estados Partes deverão estreitamente consultar e ativamente envolver pessoas com deficiência, inclusive crianças com deficiência, por intermédio de suas organizações representativas” (Art. 4, inciso 3).

Apesar disso, desde 2008, o Ministério da Educação (MEC) vem impondo, contra a expressa opinião das comunidades surdas, uma política de fechamento de classes e escolas baseadas na Língua Brasileira de Sinais (Libras), com a exclusão de milhares de surdos do sistema educacional. Graves direitos linguísticos, culturais e educacionais foram, durante esses anos, desrespeitados. Essa política representa a permanência de uma tutela política, que a Convenção juridicamente abolira.

Contra isso, as comunidades surdas se insurgiram nos últimos três anos, em diversas formas de manifestação. Resultado dessas lutas foi, finalmente, a revogação do decreto 6571/2008 que estabelecia o fechamento das escolas e sua transformação em mero atendimento educacional complementar. 

O decreto 7611 de 17 de novembro de 2011, que o substituiu, restabelece o decreto 5626/2005 como referência legal das formas de inclusão educacional dos surdos: em escolas bilíngues, ou ainda, em classes bilíngues ou classes inclusivas das escolas regulares. Esperamos que os sistemas municipais e estaduais de ensino comecem a reparar os danos causados à infância surda desde 2008.


FONTE: http://www.opovo.com.br


* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

COLETIVO NACIONAL DE TRABALHADORES DA CUT CRITICA RETROCESSO NA INCLUSÃO






O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Viver sem Limite, lançado pela presidenta Dilma Rousseff no dia 17 de novembro, prevê investimentos de 7,6 bilhões de reais até 2014. O Plano possui quatro eixos de atuação – acesso à educação, atenção à saúde, inclusão social e acessibilidade, e envolve ações de 15 órgãos federais, estados e municípios.

Representantes do Coletivo Nacional de Trabalhadores/as com Deficiência da Central Única dos Trabalhadores se reuniram na semana passada com o secretário nacional de Políticas Sociais da CUT, Expedito Solaney, para discutir alguns pontos polêmicos do Plano, relativos, especialmente, ao eixo Educação.

“O Viver sem Limite é sem dúvida um grande avanço nas políticas públicas voltadas para pessoas com deficiência, com investimentos em várias áreas. Porém, no eixo acesso à educação, representa um retrocesso, porque volta a instituir a educação segregadora, só para pessoas com deficiência”, ressalta Isaias Dias, integrante do Coletivo Nacional e representante da CUT no Conselho Nacional da Pessoa com Deficiência (CONADE). “A educação inclusiva é um direito, conforme consta em nossa Constituição Federal”, afirma.

Isaias, que é cadeirante, se refere ao Decreto 7611/2011 assinado no dia do lançamento do Plano, que revoga o Decreto 6571/2008, e regulamenta as chamadas escolas especiais.

“A defesa da CUT é por uma educação inclusiva”, diz Flávio Henrique Sousa, coordenador nacional do Coletivo de Trabalhadores/as com Deficiência da CUT. “Exigimos que as políticas públicas, que são de direito, sejam para todos, com transversalidade, para que os trabalhadores e trabalhadoras com deficiência sejam definitivamente incluídos no mercado de trabalho, tenham acesso digno à educação, ao transporte, à saúde. Fazemos parte da sociedade como demostram os dados do IBGE e não apenas um número resultante de uma pesquisa. Temos direitos, como todas as pessoas”, reafirma Flávio, que é deficiente visual.

O Viver sem Limite envolve importantes ações estratégicas em educação, trabalho, saúde, assistência social e acessibilidade, como investimento em transporte, centros de treinamento para cães-guias, microcrédito de até R$ 25 mil para aquisição de equipamentos, com juros de 8% ao ano, redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para equipamentos de acessibilidade, e recursos para inovação e pesquisa.

Segundo representante da CUT no CONADE, quando o plano foi apresentado ao Conselho em agosto deste ano, a previsão de investimento era de 11 bilhões e baixou para pouco mais de 7 bi. Além disso, no eixo educação não constava a assinatura do decreto.

O plano avança em várias políticas, mas o retrocesso no eixo educação, que é a base da inclusão das pessoas com deficiência, é inaceitável”, diz Expedito Solaney, secretário nacional de Políticas Sociais da CUT. “Além de ser inconstitucional, já que há uma convenção da ONU, incorporada em forma de emenda em nossa Constituição, que dispõe sobre o direito inalienável de pessoas com deficiência estudarem em ambientes escolares comuns. Vamos pedir para que a redação do decreto seja revista, para que seja assegurado um sistema educacional inclusivo em todos os níveis”, destaca.

Fonte: CUT Nacional


* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

domingo, 20 de novembro de 2011

E O ASSUNTO SOBRE O FECHAMENTO DO INES VOLTA À TONA

video

SOLANGE ROCHA FALA SOBRE OS BOATOS DE FECHAMENTO DO INES




"Fiquem tranquilos, a luta política é dura mas estamos vencendo a batalha e a guerra.


Aqui no INES está tudo dentro da normalidade. Alunos matriculados, orçamento garantido, concurso público para 2012, realização do Prolibras, organização do Letras-Libras presencial e tantas outras ações....

Acabamos de concluir o nosso Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI e o nosso Projeto Político Pedagógico-PPP.


Ontem conversei com o Gabinete do Ministro e não há nenhuma notícia que mereça preocupação. Todo acordo costurado com o Ministro Haddad está valendo. O INES segue oferecendo Ensino Básico, e não há nenhuma ameaça nesse sentido.


Aquela Nota Técnica em resposta ao deputado Otávio Leite, não reflete nossas relações com o MEC.


Muitas pessoas se alimentam dessas notícias para gerar pânico ou fazer política menor. Pode tranquilizar essa querida comunidade surda brasileira, que você tão brilhantemente lidera!


Qualquer ameaça ao Instituto, divulgo imediatamente para que juntos possamos reagir.

Com carinho e admiração,
Solange Rocha - Diretora Geral do INES"


FONTE: www.facebook.com

MARIA TERESA MANTOAN COMENTA SOBRE O DECRETO DE SP INSTITUINDO AS ESCOLAS BILÍNGUES



"Eu queria saber como pode existir uma escola bilíngue, onde todos os alunos só falam uma língua!

Escola bilíngue exige no mínimo um ambiente educativo onde duas línguas estão presentes e são faladas e escritas.
O caminho é de mão dupla. Saindo de uma escola bilíngue, como propõe o Decreto, os surdos vão se comunicar apenas com surdos ou com um intérprete ao lado.
Como fica a comunicação dessas pessoas com os ouvintes, se estes não são provocados a aprender a se comunicar em LIBRAS, fora das escolas, no lazer, trabalho, na vida diária?
Alguém pode me explicar qual é a razão dessas escolas continuarem segregando esses estudantes?
Esse Decreto é , no mínimo, sem sentido. Essas escolas já existem, no âmbito da educação especial, na perspectiva excludente. Não serve para nada a não ser para fins eleitoreiros. 
Por que as pessoas surdas, seus familiares e professores não se unem aos movimentos em favor da inclusão. Se já tivessem feito isso antes, teríamos escolas bilíngues para todos, sem discriminações, segregação."



FONTE:  www.facebook.com

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

VOCÊ CONHECE ALGUM BEBÊ SURDO???



As crianças pequenas não contam se ouvem bem ou não. É necessário que os adultos estejam sempre atentos ao menor sinal de perda auditiva.


A criança pode ter perda auditiva se:

    * tem parentes que nasceram surdos;
    * a mãe teve rubéola na gravidez;
    * o parto foi demorado;
    * nasceu prematura ou com menos de 1,5kg;
    * teve icterícia (ficou amarelinho) quando nasceu;
    * teve meningite;
    * tomou medicamento ototóxico.



Fique atento se a criança:

# 0 a 3 meses: não acorda com barulhos fortes.
# 3 a 6 meses: não movimenta a cabeça em direção aos sons.
# 6 meses a 1 ano: não emite sons.
# 6 meses a 1 ano: não reconhece o próprio nome.
# 1 a 2 anos: não compreende palavras cotidianas.
# 1 a 2 anos: não reconhece o próprio nome e o das pessoas próximas.
# 1 a 2 anos: não forma frases curtas.
# Até 3 anos: não conversa assuntos do dia a dia.
# Até 3 anos: não obedece a ordens simples.
# Até 3 anos: não conversa com outras crianças.


 FONTE: http://www.ecs.org.br/

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT E A CASA DA MOEDA DO BRASIL LANÇAM MEDALHA QUE REVERENCIA OS 200 ANOS DE NASCIMENTO DE LOUIS BRAILLE




A diretora geral, Érica Deslandes Magno Oliveira, do Instituto Benjamin Constant (IBC), promoveu  o lançamento da medalha em homenagem ao bicentenário de nascimento de Louis Braille. O evento aconteceu no dia 30 de outubro, às 15h, no Teatro Benjamin Constant, à Avenida Pasteur, nº 350 - 1º andar, no bairro da Urca, Rio de Janeiro.

Cunhada pela Casa da Moeda do Brasil, a medalha mostra a efígie de Louis Braille e no verso, duas mãos tateando um livro com o sistema de escrita e leitura criado pelo ilustre cego francês, onde aparece a frase “Nas pontas dos dedos, a construção de uma história de independência e cidadania”. 

A recordação confeccionada em ouro (100 g – R$ 12.200), prata (64 g – R$ 265) e bronze (55 g –R$ 155), que reverencia o genial inventor, tem a tiragem de 410 unidades, mede cinco centímetros, e poderá ser adquirida.
                      
A cerimônia, que reuniu mais de 300 pessoas, foi presidida pela diretora geral do IBC, Érica Deslandes, e contou com a presença do Dr. Luiz Felipe Denucci Martins, presidente da Casa da Moeda do Brasil; da Coordenadora do Clube da Medalha, Sra. Cléo Costa dos Santos; da Sra. Dorina Nowill, titular da fundação para cegos que leva o seu nome; da artista plástica que fez o design da medalha, Sra. Kátia Dias, e do professor Jonir Bechara, autor do livro Vida de Louis Braille.


 Fonte: Assessoria Instituto Benjamin Constant



* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

EMPRESA INVENTA CUBO MÁGICO PARA CEGOS



No lugar das diferentes cores nos quadradinhos, invenção traz palavras em braille

Uma empresa alemã inovou em nome da inclusão e inventou uma versão do já famoso brinquedo cubo mágico para ser jogada por deficientes visuais.

No brinquedo original, o jogador deve combinar cores. A solução da empresa Konstantin Datz para que cegos também possam participar da brincadeira foi colocar, ao invés das cores, palavras em braille nos quadradinhos. Com esta mudança, o jogador só precisa combinar as mesmas palavras juntas de cada lado do cubo.

Por enquanto, o brinquedo é só um protótipo e não está sendo vendido.
FONTE: Época Negócios



* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

TECNOLOGIA PERMITE A DEFICIENTE VISUAL DIRIGIR

Mark Riccobono, deficiente visual, dirigindo um automóvel no circuito de Daytona


Pesquisadores da Universidade Virginia Tech, nos EUA, criaram um carro adaptado e luvas especiais que permitem que deficientes visuais desviem de obstáculos estáticos e em movimento. Essa tecnologia permite que deficientes visuais possam dirigir automóveis no dia a dia.

Trata-se de uma parafernália tecnológica que conta com um carro adaptado, sistema de navegação, internet e luvas especiais, que vibram ao sinal de curvas no trajeto.

O carro conta com um recurso conhecido como “interface não visual”. Assim, sensores que registram todos os acontecimentos ao redor do veículo enviarão essas mensagens para o sistema central - e depois, para o condutor por meio das luvas.

A tecnologia foi experimentada por Mark Riccobono, diretor da National Federation for the Blind (Federação Nacional para Cegos, em português), que pilotou um automóvel no circuito Daytona International Speedway.

Durante o teste na corrida, Riccobono conseguiu desviar de obstáculos estáticos e em movimento, lançados de uma van. A novidade, que ainda não tem nome, está em testes e não tem previsão para chegar ao mercado. Ainda não há legislação que aprove esse tipo de acessório para os deficientes visuais.



fonte: http://epocanegocios.globo.com/



* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

A PUREZA DAS CRIANÇAS

video

DAVID ARMAND: DON'T STOP ME NOW

video

PRIMEIRA ESCOLA TÉCNICA BILÍNGUE DO BRASIL SERÁ EM SANTA CATARINA



A presidente Dilma Rousseff anunciou a criação de novas instituições de educação e o lançamento oficial do que será a primeira escola técnica bilíngue do país. O campus de Palhoça do Instituto Federal de SC (IF-SC) aplicará uma metodologia diferenciada, com português escrito e Língua Brasileira de Sinais (Libras). O campus bilíngue também deve contar com adaptações de engenharia para atender de maneira universal — como o toque luminoso, em vez de sonoro, para início das aulas.

O diretor do campus bilíngue, professor Vilmar Silva, explica que a sede definitiva terá 800 alunos presenciais e 1200 à distância em duas linhas de atuação. A primeira é a de produção cultural e design, para formação tecnológica. Já os cursos de tradutor e intérprete e o de instrutor e pedagogia bilíngue terão como eixo a formação de educadores.

Por enquanto, estão disponíveis, em uma sede provisória, curso técnico de materiais bilíngue e de formação continuada de Libras e de edição de imagens, que contam com 62 estudantes. De acordo com o diretor do campus, algumas aulas estão sendo feitas com intérpretes, pois nem todos os 18 professores e técnicos administrativos são fluentes na língua de sinais. Ele explica que esses profissionais estão passando por capacitação.

"Queremos que todos os professores saibam Libras e que a comunicação flua naturalmente" — atesta.

Para ele, o IF-SC há defasagem tanto na formação dos professores, que não se comunicam com sinais, como no preparo dos surdos.

"Cerca de 51% das vagas reservadas para cotas não são preenchidas pela falta de profissionalização dos surdos" — destaca o diretor.
Houve então o lançamento oficial da obra que começou em março e já recebeu R$ 5,96 milhões do governo federal. Outros R$ 4 milhões devem ser investidos em equipamentos e a previsão é que o IF-SC de Palhoça seja inaugurado em junho de 2012.

Para a Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (Feneis) será o primeiro campus, no país, com formação técnica e superior onde a Libras será de instrução e compartilhada. A diretora de políticas educacionais da Feneis, Patrícia Rezende, considera que o instituto poderá dar "maior visibilidade" à educação bilíngue e à cultura surda no país.


Fonte: http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/




* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

SENADOR INCENTIVA ACESSIBILIDADE PARA SURDOS



Senador Inácio Arruda (PCdoB-CE) reuniu-se com o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, para apresentar um projeto de integração, em telecomunicação, de surdos e ouvintes. O Serviço de Intermediação por Vídeo permite que pessoas com deficiência auditiva severa possam se comunicar pelo sistema telefônico com pessoas ouvintes. O SIV já é utilizado nos Estados Unidos e a proposta de implantação no Brasil foi trazida pelo professor da Universidade de Gallaudet (EUA), o brasileiro Renato Sindicic.

De acordo com o último senso no Brasil, realizado pelo IBGE, existem 5,7 milhões de pessoas com Deficiência Auditiva ou Surdas. A maioria não domina a Língua Portuguesa para se expressar através de texto por causa da dificuldade com relação às construções frasais, uma vez que a linguagem oficial dos surdos é feita com códigos simbólicos, as Libras.

“Esse sistema permite a inclusão social e digital de surdos, por meio da acessibilidade, e deve ser considerado como uma alternativa eficiente para efetiva comunicação com os ouvintes. Para a implantação seria necessária apenas uma câmera e vídeo com acesso à internet banda larga. Com a previsão, já apresentada pelo governo de reduzir os custos da internet e aumentar a cobertura nacional, o SIV é viável e deve ser considerado”, ressaltou Inácio.  


FONTE: Assessoria do senador Inácio Arruda




* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

OBRIGATORIEDADE DA PRESENÇA DO INTÉPRETE EM MATO GROSSO



A Assembleia Legislativa aprovou o Projeto de Lei nº 145/2011, que institui a obrigatoriedade da presença de tradutor/intérprete da Lingua Brasileira de Sinais (Libras) em eventos oficiais em Mato Grosso. O projeto foi aprovado em primeira votação, passando a cumprir prazo da segunda pauta.

A proposta, de autoria do deputado Airton Português, prevê que todos os eventos oficiais do Executivo ou do Legislativo estaduais sejam acompanhados por tradutor especializado em Libras. Se aprovada, a lei abrangerá, também, os vídeos postados em sites mantidos pelo Poder Público, as propagandas oficiais veiculadas em emissoras de TV abertas e a programação veiculada pela TV Assembléia (que, em breve, terá sinal aberto também via satélite).

Adequação e cidadania - O deputado Airton Português diz que a iniciativa visa “adequar os serviços públicos e garantir mais informação e atendimento de qualidade aos portadores de deficiência auditiva. Nós estamos trazendo para o âmbito estadual uma norma já existente na esfera federal, onde a presença de tradutor/intérprete já é obrigatória, há vários anos”, completa o parlamentar. A Lei Federal nº 10.436/2002 reconhece como meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o Decreto Federal nº 5.626/2005 determina, entre outras coisas, que a Libras deva ser inserida como disciplina curricular obrigatória nos cursos de formação de professores em nível médio e superior.

A proposta que tramita na Assembleia Legislativa ainda inclui outro item importante: obriga a que os órgãos públicos situados na Capital do Estado disponibilizem aos deficientes auditivos intérpretes de Libras. Mediante requerimento prévio, esses profissionais acompanhariam os interessados, durante visita ou atendimento nesses órgãos da administração estadual.

FONTE:  http://www.al.mt.gov.br



* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

MATT HAMILL ANUNCIA APOSENTADORIA


Derrotado pelo sueco Alexander Gustafsson no UFC 133, realizado na cidade de Filadélfia, o lutador Matt Hamill anunciou a aposentadoria do octógono.

O americano, que nasceu surdo e possui muitas dificuldades na fala, não escondeu o abatimento pelos resultados das últimas duas lutas - acabou superado por Quinton Rampage Jackson em maio -, e tomou a difícil decisão publicando um pronunciamento em seu site oficial.

"Eu estava pronto para tomar esta decisão depois do UFC 130, mas meus amigos, família e treinadores e a pessoa mais importante, minha filha, deram-me coragem para tentar pela última vez. Tenho convivido com muitas lesões desde a final do The Ultimate Fighter; e isso atrapalhou muito meus treinamentos. Não tem sido bom para o meu corpo depois de 28 anos competindo. É tempo de finalmente descansar", afirmou o lutador, que encerra a carreira no MMA (Artes Marciais Mistas, em inglês) com um retrospecto de 10 vitórias e quatro derrotas.

Com uma carreira marcada pela superação, Matt Hamill iniciou a trajetória de atleta na luta greco-romana, com sucesso. Três vezes campeão da Divisão III da NCAA, sendo o primeiro surdo a conseguir tal feito, e medalha de prata na Surdolímpiada de 2001, o americano ingressou no MMA em 2005, no XFO 3, contra o compatriota Robert Hitteno.

O nocaute na estreia, aliado com o bom desempenho, rendeu o convite para a terceira edição do reality show The Ultimate Fighter, quando foi treinado pelo ex-campeão dos meio-pesados Tito Ortiz.

Depois de vencer a primeira luta no programa, contra Mike Nickels, Hamill enfrentou problemas de lesão (uma fratura no nariz) e não pôde continuar. Contudo, o bom desempenho colocou o atleta como um dos nomes do evento que marcou o final desta edição do reality show. Diante do também americano Jesse Forbes, conseguiu outro nocaute e um contrato com a organização do UFC.

A primeira derrota na carreira ocorreu na 75ª edição do evento, em 8 de setembro de 2007, quando perdeu por decisão dividida para o inglês Michael Bisping. Já o segundo resultado negativo ocorreu por conta de um nocaute contra Rich Franklin, um dos atletas mais famosos do evento, no UFC 88.

Os dois maiores resultados da carreira de Hamill ocorreram justamente contra detentores do cinturão dos meio-pesados. Atual campeão da categoria, Jon Jones acabou desclassificado da luta contra o combatente surdo em virtude da utilização de golpes ilegais com o cotovelo. Embora polêmico, o resultado de 5 de dezembro de 2009 conta como uma vitória no cartel do agora ex-atleta do UFC.

Exemplo de superação, Hamill alcançou o ápice da carreira no MMA ao derrotar a lenda, e ex-professor no Ultimate Fighter, Tito Ortiz. Depois de ouvir diversas provocações do polêmico rival, o atleta radicado em Nova York fez uma exibição convincente e venceu o lendário atleta de forma unânime, no UFC 121, disputado em 23 de outubro do ano passado.

As seguidas superações na carreira renderam um convite inusitado a Hamill. Mesmo sem sequer conseguir um title shot, o americano teve a trajetória contada em um filme, no qual é abordada a carreira na luta greco-romana até o ingresso no UFC. O longa-metragem ainda não tem previsão de ser lançado no Brasil.




 Fonte: TERRA ESPORTES


* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

ALEXANDRE DE OLIVEIRA: PIANISTA SURDO



Sentado em um banquinho, sem encostar os pés no chão, porque ainda era muito pequeno, o estudante Alexandre de Oliveira, hoje aos 17 anos, assistia quase hipnotizado ao avô materno tocar piano. Mesmo sem escutar uma nota sequer, o menino dedicava toda a atenção àquele momento. Alexandre nasceu surdo. A família suspeita de problemas genéticos, mas nunca teve certeza. Apesar de não ouvir os sons do mundo, o rapaz escolheu seguir os caminhos do avô e aprendeu a fazer nascer música das teclas brancas e pretas.

Alexandre recebeu conselhos valiosos de um dos maiores pianistas brasileiros, o maestro João Carlos Martins, 71 anos. “Não importa a deficiência. Você precisa ter expressão quando tocar”, ensinou o músico a Alexandre, que agradeceu pela dica com um sorriso.
   
Alexandre completa: "Gosto do que é diferente. A surdez não é problema nenhum. O problema é o preconceito da sociedade"



FONTE: correiobraziliense.com.br

 
* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

GUILHERME MAIA KABBACH: NADADOR SANTISTA QUE CONQUISTOU DUAS MEDALHAS NO MUNDIAL PARA SURDOS



O santista Guilherme Maia Kabbach (Unique1 Academia) garantiu um feito inédito para o Brasil com a conquista de duas medalhas no Campeonato Mundial de Natação para Surdos, que foi disputado  em Coimbra, Portugal. Ele entrou para a história com a prata nos 200 metros livre (1min56s17) e com o bronze nos 200 metros borboleta (2min10s72). Nas duas provas, o italiano Luca Germano levou o ouro.

Esta é a primeira vez que Guilherme, que treina na Unique 1 Academia, em Santos, com o técnico Thiago Faria, representa o País no Mundial exclusivo para surdos e reconhecido pela Federação Internacional de Natação (FINA), que conta com 230 atletas, de 36 países. O atleta de 22 anos, que nasceu com apenas 2% da capacidade auditiva, já havia participado das Surdolimpíadas de 2009, em Taipei, na China, conquistando o quinto lugar nos 100 livre.

Guilherme ainda voltará para a piscina para quatro provas, 50 e 100 metros borboleta, 100 livre e 50 costas. “Minha vida é a água. Estou bem feliz de estar no Mundial e conquistar esses resultados. Espero que isso ajude a divulgar o esporte, atraia mais atletas”, afirma Guilherme A Confederação Brasileira de Desportos dos Surdos (CBDS) também enalteceu o feito. “Finalmente, temos o melhor nadador surdo da história. Já havia falado para ele que seria o melhor do Brasil e provavelmente do Mundo”, festejou o secretário geral da entidade, Alexandre Dale Couto.


Fonte: http://www.santoscity.com.br/



* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

BRAINPORT, TECNOLOGIA AJUDA CEGOS A ENXERGAR




A cegueira começou a se apossar de Barbara Campbell na adolescência, e antes dos 40 anos ela já havia perdido totalmente a visão. Dependendo de um computador com áudio para ler e de uma bengala para andar por Nova York, onde vive e trabalha, Cambpell, 56, ficaria emocionada por ver alguma coisa. Qualquer coisa.

Agora, ela consegue. Campbell está entrando num projeto intensivo de pesquisa, de três anos, que envolve a implantação cirúrgica de eletrodos nos olhos, uma câmera sobre o nariz e um processador de vídeo na cintura.
O projeto, a retina artificial, inclui pacientes em EUA, México e Europa e é parte de uma onda de recentes pesquisas destinadas a fazerem cegos enxergarem.
Alguns dos 37 outros participantes em etapas mais avançadas já conseguem distinguir entre pratos e xícaras, entre grama e calçada, entre meias brancas e escuras, entre portas e janelas, identificar letras grandes e ver onde as pessoas estão, embora não com detalhes.
“Para alguém que é totalmente cego, isso é notável”, disse Andrew Mariani, diretor de um programa no Instituto Nacional dos Olhos.
Os cientistas planejam desenvolver tecnologias que permitam às pessoas ler, escrever e reconhecer rostos. Outras abordagens para ajudar os cegos incluem a terapia genética e a pesquisa com células-tronco, que é considerada promissora, embora longe de produzir resultados. Os estudos também envolvem uma proteína sensível à luz e transplantes de retina.
Em outro projeto, o BrainPort, uma câmera usada por um cego captura imagens e transmite sinais para eletrodos inseridos sobre a língua, produzindo um certo tremor que a pessoa pode aprender a decifrar como a localização ou o movimento de objetos.
A retina artificial de Campbell funciona de forma similar, só que produz a sensação de visão, e não um tremor na língua. Desenvolvida por Mark Humayun, cirurgião de retina da Universidade do Sul da Califórnia, ela se baseia nos implantes cocleares para os surdos.
Com a retina artificial, uma folha de eletrodos é implantada no olho. A pessoa usa óculos com uma pequena câmera, que captura imagens que o processador de vídeo traduz em padrões de luz e sombra. O processador de vídeo orienta cada eletrodo a transmitir sinais representando os contornos, o brilho e o contraste de um objeto, os quais pulsam ao longo dos nervos ópticos para dentro do cérebro.
Atualmente, “é uma imagem muito crua”, disse Jessy Dorn, cientista do Sight Medical Products, que fabrica o dispositivo.
Campbell gostaria especialmente de ver cores, mas qualquer cor seria um clarão aleatório, disse Aries Arditi, pesquisador sênior de ciências da visão da ONG Lighthouse International.
Ela viu luzes circulares em um restaurante, parte de uma instalação luminosa em uma exposição de arte. “Há muito que aprender”, disse ela. Ainda assim, “estou realmente vendo isso”, comemorou.
Games ajudam deficientes visuais a 'mapear' mundo real
Três jogos já são usados por pesquisadores com esse objetivo.
Há mais de 50 jogos baseados em sons para deficientes visuais.
Na imagem de arquivo, livro em braile. Pesquisadores querem usar games para que deficientes visuais possam 'mapear' mundo real.


A realidade virtual pode permitir que usuários de videogames escapem do mundo real, mas um grupo de pesquisadores está utilizando seus recursos para ajudar os deficientes visuais a voltarem ao mundo real, navegando por lugares que realmente existem.
Pesquisadores da Universidade do Chile e da Harvard Medical School estão usando três jogos de computador baseados em som que permitem que jogadores naveguem por um labirinto, um sistema de metrô e edifícios reais, com base em indicações auditivas.
"O jogo funciona, essencialmente, pela interpretação de informações geradas por sons espectrais, tais como pegadas e batidas à porta", disse Lotfi B. Merabet, do Beth Israel Deaconess Medical Center e Harvard Medical School e co-autor de "AER Journal: Research and Practice in Visual Impairment and Blindness". "O jogador usa um teclado para se mover e interagir com o mundo virtual. Por meio de interação sequencial com um ambiente virtual em 3D, o usuário aprende a construir um mapa cognitivo espacial daquilo que o cerca", disse. O objetivo é desenvolver jogos com base em sons que ajudem crianças com deficiências visuais a desenvolver capacidades espaciais, cognitivas e sociais.
"Nos concentramos em desenvolver o software de jogo como ferramenta de reabilitação, de forma a permitir que usuários deficientes visuais avaliem edificações desconhecidas virtualmente antes de percorrê-las na vida real, e também conduzimos estudos com imagens de ressonância do cérebro para determinar de que maneira os cérebros de indivíduos com deficiência realizam essa tarefa", disse Merabet.
Há mais de 50 jogos baseados em sons disponíveis para os deficientes visuais, de acordo com Kelly Sapergia, que resenha jogos criados por e para esse público no programa de rádio "Main Menu", do American Council of the Blind. Segundo ela, as alternativas variam de fliperama a jogos do estilo "Space Invaders", passando por "GMA Tank Commander", um game que permite que o usuário dirija um tanque e dispare armas contra os inimigos.
 O analista de sistemas Josinei Ferreira da Costa, 28 anos, desliza com desenvoltura as mãos pelas teclas, extraindo do piano elétrico uma melodia que ficou conhecida na voz da cantora Maria Bethânia. O aluno da Escola de Música de Brasília já guarda na memória um vasto repertório da MPB — seu gênero musical preferido —, mas sofre com a dificuldade para aprender novas canções. Cego, ele depende de partituras em braille para ler as notas. “Muitas vezes, escuto uma música que gostaria de tocar, mas não consigo”, conta.
Foi pensando em pessoas como ele que a professora de música Dolores Tomé teve a ideia de criar o Musibraille, um software que permite transcrever partituras para o sistema de escrita tátil. “Queremos dar a oportunidade para pessoas cegas terem as mesmas ferramentas das pessoas com visão normal, lendo partituras, escrevendo e compondo”, explica. O programa, foi lançado na Biblioteca Nacional e faz parte de um projeto que busca capacitar profissionais da área musical que trabalham com alunos portadores de deficiência visual. “Há uma falsa idéia de que os professores que ensinam cegos precisam saber braille. Isso não é verdade. E o programa vem ajudar nesse aprendizado”, conta Dolores.
O software foi desenvolvido com o professor do Núcleo de Comunicação Eletrônica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Antônio Borges. Permite que uma pessoa sem deficiência transcreva, de forma automática, uma canção para o braille. Para isso, basta digitar a partitura e acionar o comando de conversão. O aluno também pode utilizar o próprio teclado do computador para transcrever a música. Para isso basta usar as letras S, D, F, J, K e L. “É por isso que as teclas F e J sempre apresentam um pequeno relevo, para que os cegos tenham um ponto de referência para se localizar”, explica Dolores. A partir das seis teclas, o usuário segue, então, a lógica do sistema braille, que se baseia numa combinação de seis pontos para formar letras ou, nesse caso, as notas musicais.
Caso o usuário queira conferir o que acabou de escrever, basta apertar o botão F5 para que uma voz eletrônica dite o que foi produzido. Caso ele prefira, também pode escutar a sua produção em midi (formato digital que padroniza o som de instrumentos musicais e equipamentos eletrônicos como piano, guitarras e sintetizadores). “Dessa maneira, a pessoa com deficiência sabe se escreveu certo ou errado e o professor pode acompanhar de perto a evolução do aluno, vendo se ele está conseguindo ‘tirar’ corretamente as notas de uma música”, aponta Dolores.
“Outra facilidade oferecida é a transcrição para a forma gráfica (pauta), que permite que uma pessoa que não seja cega — e trabalhe com o músico cego — possa ter acesso instantâneo e compartilhado à tradução para pauta da partitura braille”, explica Borges, responsável pelo desenvolvimento técnico do programa. Totalmente desenvolvido em código aberto, o software pode ser alterado para se adequar às necessidades de cada pessoa que o baixar.
Josinei tem dificuldade para encontrar partituras musicais em braille e caso o estudante ou professor queira imprimir as partituras em braille, é necessário ter uma impressora especial que reproduza documentos nessa linguagem. Elas custam bem mais caro que as convencionais — em torno de R$ 12 mil —, mas associações e escolas especiais para deficientes visuais contam com esse tipo de equipamento. Segundo Dolores, não existe uma grande variedade de programas de computador disponíveis no mercado para transcrição musical em braille. “Os poucos disponíveis são caros e não estão disponíveis em português, o que impede uma maior disseminação entres os usuários brasileiros”, diz. O estudante de música Josinei está entusiasmado com a nova ferramenta. “O programa nos ajudará muito, pois conseguiremos ter a música que queremos tocar, sem precisar depender de outras pessoas.” 
FONTE: http://paulodaportela2003.blogspot.com


* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

TRATAMENTO COM CÉLULAS-TRONCO PERMITE QUE CEGO VOLTE A ENXERGAR

Tratamento com células-tronco por cientistas britânicos restauraram a visão de pessoas ameaçadas de cegueira permanente.
 
A técnica tem transformado a vida de pacientes que perderam a visão devido a lesão ou doença.
 
O procedimento tem sido realizado apenas sobre aqueles que perderam a visão em um olho.

Vida transformada: o paciente <span class=
Russell Turnbull com consultor cirurgião Dr. Francisco Figueiredo, que supervisionou o estudo no qual a vista de Turnbull foi restaurada" 

Mas os ensaios já estão em andamento em pacientes com danos para ambos os olhos e milhões poderiam um dia se beneficiar do tratamento.
A técnica envolve a células-tronco de olho bom do paciente que sofre um tratamento especial no laboratório antes de transferi-los para o olho danificado.
 
Entre aqueles que já foram submetidos a procedimento está um que perdeu a visão em um olho depois de ser atacada com amônia 15 anos atrás.
 
Russell Turnbull é um dos poucos pacientes que foram tratados com sucesso por cientistas e cirurgiões do Norte de Inglaterra na East Stem Cell Institute da Universidade de Newcastle.
 
Como Funciona

Dentro de algumas semanas Turnbull, 38, encontrou a sua visão de volta ao nível de quando foi atacado em uma viagem de ônibus para casa após uma noite em Newcastle, em 1994.

Como 'cobaia' em um estudo no instituto, os investigadores tomaram uma pequena quantidade de células-tronco de olho bom Turnbull e trataram em um laboratório, antes de implantá-lo no olho danificado, onde começaram a funcionar normalmente, restaurando a visão.

Ontem, ele disse: "Eu tenho a minha vida de volta, graças à operação".
 
A técnica evita a necessidade de drogas para suprimir a imunidade devido a células do próprio paciente implantado não poder ser rejeitada.
 
É também o primeiro processo que não usa produtos de origem animal para ajudar no tratamento das células-tronco em laboratório.
 
Os cientistas esperam que a técnica possa ajudar centenas de pacientes cujos olhos foram danificados por lentes de contato, em acidentes que envolvem ferimentos térmico ou químico, e por doenças.
 
O procedimento de metas nebulosidade córnea - conhecido medicamente como deficiência limbar - que foi previsto para causar cegueira em oito milhões de doentes em todo o mundo a cada ano e afeta até 10.000 na Grã-Bretanha.

Francisco Figueiredo, um cirurgião de olho e consultor no Norte da Inglaterra, East Stem Cell Institute, que co-liderou o projeto, disse que a descoberta poderá potencialmente "ajudar milhões de pessoas. Esta técnica que estamos trabalhando nos últimos três anos tem o potencial de mudar a vida das pessoas", acrescentou.

"Ao fazer uma operação de transplante de células-tronco, sua vida volta ao normal".
 
A pesquisa, publicada na revista Stem Cells E.U., tem sido utilizada para ajudar a oito pacientes com opacidade de córnea em um olho, que têm visão suficiente no olho restante para fornecer uma fonte de células-tronco saudáveis.
 
Mas os pesquisadores já estão realizando testes com os pacientes que têm dano em ambos os olhos.
 
O Sr. Figueiredo disse: "Eu tenho 74 anos e não sou capaz de enxergar de um olho por 54 anos". Na idade de 20 anos ele foi atacado na rua com amônia e perdeu a visão.
 
Agora, depois de ter feito a cirurgia, ele pode ver de novo.

Desde que a cegueira é causada pela deficiência de células-tronco poderá ser restaurada, utilizando esta técnica.
 
Todos clara: A cirurgia tem dado senhor vista <span class=
O tratamento tem dado ao senhor Turnbull a visão em seu olho danificado quase igual olho saudável.


O Professor Michael Whitaker, co-diretor do instituto, disse: "Células-tronco da medula óssea têm sido utilizadas com sucesso por muitos anos para tratar o câncer e doenças imunes, mas este é o primeiro sucesso da terapia com células-tronco utilizando células-tronco a partir do olho sem produtos animais para tratar a doença. Como os primeiros resultados parecem promissores, estamos pensando na difícil tarefa de como trazer esse tratamento rápido para as clínicas, como concluir os testes clínicos necessários, de modo que o tratamento pode ser compartilhado com todos os pacientes que poderiam se beneficiar. "
 
Um grande estudo envolvendo 24 pacientes está em andamento com financiamento do Reino Unido Medical Research Council.


FONTE: DAILYMAIL


* O TEXTO ENCONTRA-SE EM SEU FORMATO ORIGINAL. ERROS GRAMATICAIS E DISTORÇÕES SÃO DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR.